sexta-feira, 19 de outubro de 2018

Análise Crítica da Participação do #NOVO nas eleições 2018.

  Esse post dedica-se a refletir sobre os rumos decepcionantes - ante a grande expectativa e potencial do mesmo - da candidatura, e resultados eleitorais obtidos pelo NOVO, nas eleições de 2018. Com 8 deputais federais, e 12 deputados estaduais eleitos - era para ser, pelo menos, o dobro - a interferência esdrúxula de seu presidente, falta de divulgação das bancadas, e um tom absolutamente elitista e descolado da realidade social do brasileiro, resultou no desempenho pífio, aquém do esperado, de Amoêdo e sua turma, tal como nas eleições municipais passadas, o qual transformará o partido em uma eterna promessa, mas sem resultados concretos.




 A atuação ESDRÚXULA de seu presidente: Tumultuou o horário eleitoral, atrapalhou candidaturas de esquerda, entregou-nos a bancada mastodôntica do PT.
  Se existe um culpado pelo desempenho esdrúxulo do Partido Novo, este se chama João Amoêdo. Repetindo desempenho ridículo das eleições de 2016, onde indicou CINCO candidatos a prefeito nas capitais, sendo todos derrotados em 1º turno com votações pífias, e fez apenas 4 vereadores em três municípios. O NOVO, sempre carrega este legado e otimismo delirante, auto-engano e mistificação. A culpa é de tudo, pois, afinais de contas, somos "novatos", temos "poucos recursos", temos "pouca estrutura" e "pouca divulgação" - mesmo sendo um dos partidos com maior número de seguidores nas resdes sociais, e com milhares a milhões de militantes e apoiadores espalhados pelo país - e, mesmo assim, os resultados foram "maravilhosos". O problema do NOVO, é a forma como o seu presidente, João Amoêdo, vem tratando o partido.
  Desenhado com um partido de gestão mais inovador, constituída de uma hierarquia em caráter horizontal, com importantes críticas e discussões, para tomada de decisão, de seus membros, e ampla participação interna, a estrutura vem se concentrando e hierarquizando-se cada vez mais na figura de seu presidente, João Amoêdo, que encaminha-se mais para ser um grande donátário de seu partido, uns desses "Levi Fidelix" da vida, como tantos outros partidos de aluguel que existem por aí. Amoêdo, nestes últimos anos, vêm concentrando cada vez mais poder em torno de si, e de seus aliados mais próximos, esvaziando a autoridade e relevância dos demais órgãos de governança e controle presentes no Estatuto. Esse excesso, esta esdrúxula centralização nas mãos do "old capo", é que vem prejudicando e muito a estratégia de crescimento do NOVO, uma vez, que, ao invés de focar a sua função primordial, de constituir relevantes bancadas nos poderes legislativos de diversos locais, focam-se muitas vezes em estéreis, e insignificantes candidaturas a nível executivo, esvaindo-se recursos precisos a fundo perdido, fazendo seu potencial corromper-se, a medida que afloram a mediocridade, e a pedância autocrática. Amoêdo, sem dúvida, é um dos homens que mais prejudicam o partido neste momento, lançando-se em uma candidatura infrutífera à Presidência da República, consumindo recursos escassos, em favor da sua megalômana candidatura, e de seus pretensos governadores, esvaziando o seu poder de bancada, o mais crucial no momento.
  A sua candidatura a presidência, também atrapalhou, e muito, o projeto de partido. Atraindo para si toda a atenção, flertando para se apresentar em debates onde não acrescentava nada, apresentando, de forma esdrúxula e ridícula, a sua proposta aos mais pobres (quem não se lembra, daquele evento vexaminoso, onde Amoêdo apresentava uma proposta de "vouchers" para os mais pobres, e os moradores com aquela cara de WTF(?), e muitos diziam, se era de comer, ou, por que não falava em "bolsas de estudo". Os candidatos do partido, teriam tempo de rádio e TV muito reduzido, por isso, deveriam ter ido com tudo nas redes sociais, tal como fez o PSL/Bolsonaro. Mas não, preferiu bancar a sua campanha nababesca, centralizar o foco das atenções, investir no marketing pessoal, como se o NOVO fosse sua personal assistent, limitou o lançamento de bancadas onde houvesse cargos a nível executivo - um erro crasso, desperdício de dinheiro em candidatos inviáveis, com formação de bancadas magras ao longo do país - não arregimentou o "voto em candidato", trouxe votos ao partido. A estrutura do novo tornou-se cada vez mais vertical, autocrática, personalista, e inviabilizando a democracia interna, uma política pró-cúpula, contra o conjunto de valores e princípios que o formaram.


 Falha do novo, melhor para o PT! Tibieza e falta de planejamento marcaram a toda do suspiro aliviado do petismo.
  A falha na formação das bancadas do NOVO, é o principal problema a ser destacado. O fato de o partido ter focado em seus "executivos" - os resultados esdrúxulos em TODAS as disputas, com exceção de Zema em MG, mostra que a estratégia foi um erro - em detrimento dos legislativos, onde, de forma ridícula, o novo focou em só lançar candidaturas onde concorresse a governador, mostrou-se também um desprezo com a cultura e história do partido. O NOVO, sabendo que ia perder, deveria entrar com candidatos secundário ao governo em todas as disputas possíveis, e, onde não, colocar "coletivos" nas ruas para divulgar os candidatos. Estes governadores e "puxadores", espalhados em pouco mais de 18 a 20 Estados, abririam mão de suas candidaturas e usariam seu tempo de rádio e TV, bem como, seu poder de divulgação nas mídias sociais, para apresentar as idéias de seus parlamentares, suas bancadas, a formação de cada candidato, e o quanto que cada um poderia contribuir para o país, sendo "ficha limpa", tendo ideias novas, racionalizando e cortando gastos inúteis, mostrando que o fim de um Estado obeso, corrupto e corporativista, é a melhor solução para toda sorte de problemas e males que assolam o país. Mas, sem dúvida, o ego, as luzes da ribalta dos pretensos "governadores", falou mais alto. Rogério Chequer, membro do "Vem Pra Rua", e um completo desconhecido, vendeu a ideia de um "Davi contra Golias", se vendeu como alternativa para a "Era PSDB" em São Paulo, como "O Futuro", brigou para subir em palanques, desgastou-se com outros candidatos, abandonou a sua bancada legislativa as traças, usou recursos do partido para fins de autopromoção de imagem, mostrando-se a todos como uma espécie de "Durango Kid" na política, deu no que deu, 4 deputados estaduais eleitos e um 1º turno irrelevante. Marcelo Trindade, no Rio, era advogado e novato na política. Mais uma vez, caiu na falácia "daciolesca" de que iria arrasar nas eleições, consumiu muitos recursos próprios e do partidos, aumentou ainda mais o nível de antipatia de um eleitorado já reconhecidamente progressista e antiliberal, acumulou escândalos, entrerrou sua carreira política antes de começá-la, resultado, derrota fragorosa e dois "deputadinhos" - Poderiam ter segurado Bernardinho, pelo menos dentro do partido. -  Zema, em MG foi uma grande surpresa. Dono de uma financeira de "crédito fácil" aos pobres, autofinanciou praticamente TODA a campanha, tomou todos os holofotes para si e abusou das redes sociais e TV, resultado, praticamente eleito, com uma base parlamentar que mais parece uma bagunça, e apeenas três "deputadinhos". Toda a sequência de goverfakes que foram se afundando, aliado a bancadas magras e incipientes, este é o resultado do novo, cujo presidente, João Amoêdo, promete ser "o cara" em 2022. Este excesso de ufanismo e messianismo, de quem parecer querer, a todo custo, destruir o seu próximo, não deveria ser característica de quem promete ser "o novo" na política tradicional. Esta megalomania de querer construir governadores "campeões de votos" com bancadas pífias, de querer desbancar o PT-PSDB, que conhecem o eleitorado tradicional muito além da "favelinha da esquina", e da barraquinha de pastel do seu Zé, e com muito mais expertise e "bagagem eleitoral" que os "comedores de pêra" de suas cúpulas, este ar de "metidão", de quem construiu um "eldorado" liberal na "selva" latino-americana, esta empáfia, esta soberba de utilizar-se de um linguajar rebuscado, de academia, ante um povo humilde, não me surpreenderia uma "porrada" daquelas em 2022. Vale lembrar, que o NOVO, por muito pouco, ultrapassou a cláusula de barreira para este ano, bem magra por sinal. No próximo pleito, 2022, o "sarrafo" será bem maior, teremos PT, PSL, PSDB e PSB bem competitivos, uma dinâmica política e econômica beem diferente, partidos pequenos sendo ESTRAÇALHADOS pela máquina de moer dos maiores, o fim das coligações proporcionais, com consequente gigantíase das grandes bancadas, predação do tempo de rádio e TV, uma revoada de gafanhotos nas redes sociais, deputados "dando a vida" pelo "quadriênio salvador", e, neste cenário, quero ver as desculpas debochadas e esfarrapadas do NOVO e seus líderes, quando o sarrafo "quebrar seus joelhos" em 2022. Vale lembrar que a cláusula de barreia, além do Fundo Partidário e Tempo de Rádio e TV, que o mesmo diz não precisar, irá esmagar também, o poder de deliberação dos parlamentares limados este ano. A revigoração do artigo 13 da Lei dos Partidos Políticos, em função da EC 97, aliada a duras reformas regimentais a serem aprovadas nos anos seguintes, reduzirão os desafortunados ao mero direito de voz e voto, sem maiores considerações funcionais, e assim poderá acabar o novo, como mais um "think thank" disfarçado de partido político, sob a aba do TSE. Enquanto os "gerentões-celebridades", continuam desfilando a sua pompa e arrogância por aí, comemorando seus 15 minutinhos de fama, e sua pífia bancada, os mega-partidos prometem vir com TUDO em 2022, tendo na sua futura barriga de aluguel liberal, uma importante moeda de troca.


O futuro do NOVO: Quando será que o partido irá acordar?
  De fato, é muito engraçado os discursos esdrúxulos que a cúpula do novo encampa, eleição após eleição. No fundo, é um partido que tenta, no médio a longo prazo, "suplantar" o PSDB. Seu líder, Amoêdo, mesmo com um desempenho absolutamente RIDÍCULO nas urnas, promete ser "o cara" para 2022. Chega a ser muito engraçado, o "shot de TANG", o homem da "onda-laranja", que só aparece junto ao eleitor médio a cada quatro anos. O novo quer introduzir métodos surreais na política, como, política de entrevista e seleção de candidatos, ignorando o potencial político e eleitoral dos mesmos, além, é claro, de ignorar o seu verdadeiro potencial, que, ao invés de fomentar bancadas consideráveis no congresso (em torno de 16-23 deputados federais, e 40-80 estaduais), pois potencial para isso tem, prefere uma política de ações estéreis, atrelando suas bancadas aos executivos, não liberando membros a apoiar candidatos, na Presidência e ao governo, com bagagens programático-ideológicas afins, não fomentando um ingresso massivo de novos filiados, lideranças novas, articuladores políticos experientes, que tenham conhecimento da realidade político-eleitoral brasileira, e possam elaborar planos eleitorais e de governo que sejam mais atraentes à realidade do cidadão local. O NOVO, nas próximas eleições, precisa ser mais agressivo, sem perder a essência, amealhando mais filiados, focando suas bancadas, deixando os cargos no executivo para segundo plano, fomentando lideranças liberais, apoiando reformas, coligando-se com partidos que tenham política programático-ideológica afim, no executivo, tendo militância, rejeitando os velhos caciques e a velha política. As futuras reformas eleitorais, prometem ser bastante cruéis com os partidos que não ultrapassarem a cláusula de barreira, ignorarem a nova política, e, por fim, o seu próprio potencial, e o poder das redes sociais. O público está cansado deste discursinho de ocasião, quer a resolução de seus problemas, o combate ao crime, um mundo onde a criação dos filhos, e o resultado de suas oportunidades no âmbito acadêmico-profissional, seja fruto somente de suas ações e escolhas ao longo da vida, e nunca de ingerência governamental.

  Por fim, manifesto uma preferência maior pela vertente LIVRES, desalojada do PSL, que mantem uma base suprapartidária - poderiam criar um partido, sem desperdiçar outros candidatos não-partidários filiados a causa - que possuem mais realismo político, conhecem melhor as dificuldades do cidadão médio local, entendem a necessidade de se estudar a viabilidade de eventuais candidaturas, fomentam o liberalismo, tem fóruns e eventos organizados, tratam a política de maneira séria, e não como um "problema de escritório", do tipo "que nos ouçam mais", oras "que os senhores se apresentem melhor ao seu eleitor".

sexta-feira, 5 de outubro de 2018

Recado ao povo brasileiro..

  A menos de 48 horas das eleições, os brasileiros conheceram o programa monstruoso do PT. Existem possibilidades reais de Bolsonaro ganhar no 1º turno, e, além disso, o próprio Dirceu acusa o golpe bolivariano da trupe vermelha. Desesperado, o "Jaiminho" apela a Deus, acusa o adversário de "fascista", faz suas últimas procissões no "santuário" da PF, mente, ataca por todos os lados, pois, sabe que, em caso de derrota, só lhe resta um destino, o xilindró!

   Leia a peça monstruosa do PT aqui, e fuja da conversa dos moderados isentões.

   É Bolsonaro 17!!


quarta-feira, 3 de outubro de 2018

O desastre eleitoral do PSDB: Tragédia que se avizinha não foi por falta de aviso, e o culpado, será o seu candidato-pinóquio!

  De fato, o PSDB está preste a passar uma das maiores vergonhas de sua história. Correndo o risco de ter considerável parte de sua bancada federal, na câmara, corroída pela atenção de novos pólos partidários emergentes, como o NOVO, DEM, PODEMOS e PSL, bem como, um candidato a presidência, que, a esta altura do campeonato, é um mero figurante, de uma ópera-bufa prestes a se converter em uma tragicomédia, vê o seu desastre 2, ser uma catástrofe muito maior que o seu 1º, onde, além de ficar a ver navios da forma mais vergonhosa até então, atrapalhou toda a organização eleitoral do partido nos anos seguintes, tendo a façanha, de, até mesmo, desarranjar completamente a campanha de Serra em 2010. Agora, simplesmente virará pó, correndo, sem dúvida nenhuma, o risco, de levar o seu partido ladeira abaixo.






 A Saga dos Três Patetas! Como um foi atrapalhando o outro até o desastre tragicômico de 2018.
  Sem dúvida nenhuma, o PSDB tem três patetas, e eles são dignos de uma esquete dos "Irmãos Marx". Serra, Alckmin e Aécio, compõem orgulhosamente o trio circense, o qual parece, incansavelmente, dispostos a competir uns com os outros, para ver quem afunda mais o partido. São Parlapatões de outros carnavais; Alckmin, o qual, durante a campanha presidencial de 2006, teve a audácia de desperdiçar uma das maiores massas de capital político até então, se vendendo como um candidato ridículo, e caindo em todas as diatribes do vigarista nove-dedos, se vendeu como um abadá de estatais, perdeu no segundo turno, com metade dos votos que obteve no primeiro, ficou na "banheira", virou ministro de Serra "o furão", perdeu para a prefeitura, ficando em terceiro, mais uma vez encostado em ministérios, ganha para governador, fica 8 anos, num mandato que "nem fede, nem cheira", vê a candidatura do vice do PSB deslanchar, o "fenômeno SKAFF", criou o "embuste Dória",
alem da ópera-bufa prestes a se converter em uma tempestade perfeita, que é a situação trágica em que se encontra o tucanato; Serra, o ex-ministro da Saúde derrotado em 2002, tenta a prefeitura em 2004, ganha, faz promessas, abandona a prefeitura, e, finalmente, concorre a governador, ganha, sai para tentar a presidência, perde para o "poste" Dilma, tenta novamente a prefeitura em 2012, perde para o "poste" NULIdadd, joga o destino de nossa cidade NO LIXO pelos próximos 4 anos, some da política, acredita em "milagres"; por fim, Aécio, um dos mais combativos políticos da oposição, ocupa o governo de minas, de 2003 a 2010, concorre ao senado, vence, seu "padrinho", Anastasia, concorre ao governo, vence, e ele tenta o senado, vence, e, até sair como um candidato honoravelmente derrotado por uma odiosa campanha de estelionato eleitoral, em 2014, onde saiu com um capital político gigantesco, perdendo nos detalhes para a "presiDANTA" Dilma, cujo fracasso mais dolorido foi em Minas, seu principal reduto eleitoral, e, a partir de então, acovarda-se, some, vira réu em denúncias, perde credibilidade, abre caminho para o intragável "picolé de chuchu". Essa saga, poderia ser a de um time de futebol decadente, de uma empresa mal-administrada, da associação de bairro do seu Zé, cujos sócios escondem a sua carteirinha de afiliado em algum cantinho fétido do porão mais imundo de suas casas, ou até mesmo, a gestão de algum negócio picareta, mas, infelizmente, é a "forma de governar" de um dos maiores partidos do país. Assim a tragicomédia, ocorre no processo pré-impeachment.
 Os três patetas tergiversavam sobre a forma como a "anta" e "estocadora de vento", deveria deixar o comando de nosso país, mas, claro, nenhuma delas, levava em conta a terrível dificuldade pela qual passava a nação, e a dignidade daqueles que moravam nela; Serra "O Canalha", queria mergulhar o país em um nível de sofrimento indescritível, e rumo a uma "dinastia vermelha" no coração da América Latina, uma afronta a dignidade de milhões de homens e mulheres de famílias honestas neste país, conduzindo-a até uma "sangria" em 2018 - O que sobreviveria antes? O seu mandato(dela), ou o nosso país? - Alckmin, por sua vez, "o pedante", tentava a saída via TSE e ignorava completamente o PMDB - Agora você quer, né Mr Centrinho - , ignorando completamente os prazos, bem como, o fato desta aposta tratar-se de uma verdadeira "roleta-russa". Aquele que mais parecia centrado, era Aécio Neves, aquele, que, desde o início, deflagrou campanha aberta contra o seu mandato ilegítimo. Foi dele, que saiu a primeira ação penal contra ela, em razão das "pedaladas fiscais", em manifesto que o próprio subscreveu, depois, apoiando as CPIs da Petrobrás e do BNDES, as ações de Cunha para votar as contas anteriores da presidente, bem como, ação histórica do TCU, em que a mesma teve suas REJEITADAS por unanimidade, porta de entrada para o seu impeachment, do apoio integral a sua comissão processante, formada por Bicudo, Miguel Reale e Janaína Pascoal, até o seu impeachment em definitivo, a partir daí, o partido se perdeu.
  Esta tríade de imbecis, que mais parecia uma ópera de stand-up ambulante, parecia ser de um amadorismo que beirava a estupidez. Serra, o eterno "em cima do muro", Alckmin " o radical e 'anti-sistema' de boutique", e Aécio "pró-governo até o fim". O PMDB, pode falar o que quiser dele, mas, ao menos, sabia o que o povo realmente queria naquele momento, conseguiu se remodelar, e, por isso, tenderá a ser o mais beneficiado entre os "centristas", pois, afinal de contas, se o PMDB é fisiológico, isso não significa que ele não represente grupos - representa SIM, os grandes proprietários de terras, os empresários corporativistas, as oligarquias regionais, a esquerda "light" das médias e grandes cidades - daí o fato do mesmo permanecer forte, ao menos a nível legislativo e regional, e, ao menos, manter Dilma e esperar por um milagre era suicídio político! Alckmin não queria temer de jeito nenhum, pois acreditava que isso atrapalhava os planos do partido para 2018 - e o país, que ficasse a míngua, ante contendas judiciais que postergassem o seu(dela) mandato indefinidamente? - e, claro, sempre se vendeu como "Fora de um governo temer". Um de seus "sequazes", o ex-guerrilheiro Aloysio Nunes disse "Você acha que nós temos os 342 votos necessários(impeachment). E depois de derrubá-la, entregaríamos o poder nas mãos de quem, Michel Temer, sócio da destruição do nosso país? ", disse. Temer era o que tinha para "hoje", FATO, mas a forma como o partido se organizou, só contribuiu para o seu esfacelamento e perda de capital político. Venceu a ala da executiva que queria o partido no novo governo, e, tão logo surgiram os escândalos, entra em ação o "revolucionário de boutique" Geraldo Alckmin, pregando uma sanha persecutória, e de um "purismo" de fachada que não enganava ninguém. Estourou os escândalos, Aécio foi afastado da presidência tucana no caso JBS, Tasso e Alckmin começaram a comandar o partido, como num chá de senhoras. Primeiro, atacando membros da base aliada de Temer, se vendendo como santinhos, desorganizando todo o seu governo e paralisando reformas importantes para o país. A gota d'água, foi no programa eleitoral em agosto, onde, em tons ácidos, tachou o governo de corrupto, dizia ser membro de um "presidencialismo de cooptação", acusou o toma-lá-da-cá, e defendeu o regime parlamentarista, pronto, crônica de uma tragédia anunciada! O centrão obstruiu TODAS as votações, o congresso parou, lideranças pediam a cabeça de Tasso, exigiam que o seu partido deixasse o governo, que desse "nome aos bois". O clima ficou tão terrível, que Aécio teve de intervir, tirando Tasso da presidência e reassumindo o seu mandato até as eleições, onde o diálogo entre os mesmos voltou. Alckmin assumiu - na prática, São Paulo e capital foram largados as traças muitos meses antes, pois, tanto a ele quanto a sua cria, o importante era se e somente o seu projeto de poder - e a gestão de sua cidade ficou como algo secundário, e, eleito seu novo presidente, parecia mais atrapalhar do que ajudar, ouvindo conselhos do "gagá" FHC, flertando com bandeiras "liberais" desprezadas pelo eleitor, tentando "crescer" no Nordeste poupando Lula, dialogando como se fosse presidente do país. Tasso era outro boçal, o principal responsável por atrair o partido "mais a esquerda", tentando encaixar uma "candidatura de centro", acenando para o mercado. Em um momento onde o seu principal oponente tucano ao Planalto, estava fora de combate, tentou vender sua intragável candidatura onde, que seja pelo seu "histórico" nada confiável, quer seja pela sua falta de carisma patente, e inocuidade que impregnou-se até as raízes do cabelo, na alcunha de José Dirceu, o mesmo simplesmente não ganhava o "centrão". O mesmo conseguiu vencer a desconfiança chamando a senadora Ana Amélia para vice, forte aliada do setor rural, e um bom programa e propostas de governo, mas a tragicomédia de sua campanha abateu-se sobre si.


 Apático e sem carisma, cometeu pecado imperdoável em sua campanha.
  Para aqueles que acompanham política, sabiam que Alckmin era a crônica de uma tragédia anunciada! Com o total descrédito de Serra, em razão da conclusão do impeachment de Dilma Rousseff, e da "destruição" de Aécio, em razão do escândalo da JBS, sobrou, por tabela, Alckmin, candidato por W.O - claro que Dória corria por fora, o candidato-palhaço, que, com menos de um ano de uma "estrondosa" gestão, abandonou a cidade às traças, adotando um discurso de campanha tão patético quanto o de seu criador, atirando e acenando a torto e a direito, bem como, "amenizando" o tom no Nordeste, pois la "Lula é forte", mas logo fora enquadrado pelo seu criador - . Restou então, a figura de "prefake", e futuro candidato-parlapatão a governador.
  A candidatura "A", foi um arremedo de trapalhadas, e de uma imensa onda de mal-estar entre todos os envolvidos, inclusive o do próprio partido. Apático, sem carisma, e intragável por excelência, "Geraldinho" apelou para a prática do hostile takeover, atropelando e execrando adversários, rompendo acordos de suma importância, adotando o discurso do "nós contra eles", sem um décimo da expertise petralha, aproximou-se de abutres, e figuras mais decadentes do seu partido e da política, desprezou a importância histórica da comunidade conservadora ao tucanato em sua história, além de adotar uma postura de "moderado" e "da paz", depois de produzir tanta desgraça por onde caminhou - os municípios que ficaram sem "palanque", o racha gigantesco na bancada, a campanha frágil, a base alugada, prestes a desmoronar a qualquer momento - . Como desgraça pouca é bobagem, aproximou-se de duas nulidades absolutas da política nacional, os apáticos, e caquéticos, Tasso Jereissati e FHC, pois é, difícil de engolir, nem ENGOV salva.. A dupla dinâmica da desgraça se especializou em duas coisas: falar bobagens desbragadamente, e, ao que parece, não descansar enquanto não enterrar de vez o partido. Desde o início estes senhores só atrapalham tudo! FHC, horrorizado com a polarização PT-Bolsonaro, exigia que o candidato de apresentasse como um "moderado", um "legítimo representante do centro", algo que era piada, inclusive no próprio partido - depois de tanta desgraça, só IDIOTA para acreditar - . Tasso era o típico cara esquerdista-revolucionário e "contra o sistema", na verdade, um político de bancada, o qual finge ser mais a "esquerda", para faturar os votos dos "liberais". Criticando o acordo com temer, execrou a sua base, instou a "ruptura total", defendeu um "PSDB forte", unindo-se com figuras patéticas da política nacional, sem a menor expressão e capilaridade nas áreas menos abastadas. As vésperas de fechar a sua candidatura presidencial, o seu insuportável vai-não-vai de apoio político, somado as baixas avaliações nas pesquisas, fraturas que ele mesmo criou em sua base, não obstante sua notável falta de carisma, levou suas pretensões políticas a quase afundarem no "nascedouro"; só a interferência do PP, de Ana Amélia, que ofereceu-lhe o cargo de candidata a vice, não obstante o seu imenso capital político, e dotada de imensa credibilidade, que fechou o "pacto", e o fez disparar nas pesquisas, fazendo-o, assim como nos mais doces sonhos, emparelhar com o PT. Por outro lado, os seus gurus, que mais valiam como inimigos que muitos, continuaram destilando estultices em plena corrida presidencial. FHC, e sua patética campanha de "pacificação", de "liberalização das drogas" e "pró-aborto", elogiando o presidiário Lula como muito petista não o faria, patrocinando uma PATÉTICA união de centro - perceberam que estou me repetindo, mas, viram como foi RIDÍCULA esta campanha mentecapta de aproximação ao longo de toda esta campanha? - justo os que menos tinham MORAL e propriedade para falar do assunto, e Tasso? Parece que esta duplinha não se cansa de fazer papel de IMBECIL, se venderem como "bonzinhos" e "limpinhos". Em uma "autocrítica" institucional-partidária, endereçada ao Estadão, a qual ninguém pediu, nem fora conversada internamente (impressionante, não existe diálogo, no partido só existem ELES, os "justos".), Tasso disse que o PSDB "errou" ao apoiar o impeachment, ao se aliar a Temer, ao não abrir mão de cargos, ao "apoiar" o governo, mesmo no caso JBS e das denúncias subsequentes. Disse ser cúmplice das "pautas bombas", do "achacamento" da presidente, de terem feito de tudo para que caísse (só eles?!). REALMENTE, é o tipo de postura de quem parece ignorar a realidade, vender um falso purismo, e querendo apenas encontrar mais uma importante oportunidade de alfinetar os adversários, e isso numa época em que a aliança PSDB-Centrão já mostrava ter pés-de-barro. Claro, ignorando o TERRÍVEL contexto político-econômico em que o Brasil se encontrava, a sua completa falta de moral, para falar absolutamente QUALQUER coisa, a indisposição em se assumir as rédias de um país, que rumava em direção ao precipício, enfim, são os mesmos representantes desta oposição PUSILÂNIME, que conferiram ao PT e asseclas, uma saga de banditismo impune por mais de 13 ANOS!
  Claro, que, aos 44 do segundo tempo, vem o senhor Alckmin dizer que Tasso se "equivocou", esconjurando FHC, forjando uma fala mansa e pseudo-repulsiva a Lula, bradando-se de pesquisas manjadas, colheu o que plantou. Ninguém mandou a um imbecil como o senhor, agir de forma tão cínica e destemperada, desarranjar o partido, destruir suas bases, isolar seus membros, achacar a sua mais importante massa de eleitores, e, principalmente, levar a legenda ao pior desastre eleitoral de sua história, fazendo-a rumar de braços dados junto ao seu futuro irmão-nanico, o PT. Agora, falaremos de outro fenômeno.



 A ascensão de Bolsonaro: PARE de culpá-lo, culpe a sua incompetência.
  FATO é, que a ascensão de Bolsonaro, é um fenômeno que espantou a muitos. Não é novidade, para quem estuda a fundo este cenário político, e sabe como o grosso da população brasileira foi abandonada, neste "café-com-leite" que dura mais de 25 anos. Tal como seu congênere americano, Donald Trump, era um homem quase piadesco, que foi crescendo nas pesquisas, até galgar o cargo de mais importante chefe político do Planeta! Os movimentos de 2013 e 2015 se encontravam órfãos, não mais, agora eles tem o seu "criador", enquanto os demais, se acumpliciavam em campanhas "liberais" impopulares. No início deste ano, havia uma miríade de candidatos, poucos "viáveis". Foi só em fevereiro deste ano, que o capitão encontrou um "ninho" para chamar de seu, o PSL. Com indicadores modestos nas pesquisas, Bolsonaro foi subindo estrondosamente. O "centro" era um ninho de candidatos impopulares - de início, Temer, Marina, Ciro, o "Nhonho" Rodrigo Maia, Fávio Rocha o "posto Riachuelo", até, pásmen, Luciano Hulk - , com a maioria sequer chegando aos dois dígitos, além de outros que só serviam para cumprir tabela e ultrapassar a cláusula de barreira - Eymael, Boulos, Jean Goulart 2, PSTU, PCO,etc. - . Alckmin era um candidato que lutava para decolar, só que eram muitos os seus entraves para fins de alcançar apoio, tanto nos partidos, quanto na própria sociedade. Para quem é Fora de São Paulo e não sabe, Geraldo é o mais a esquerda de todos os candidatos do PSDB paulista, entenderam o porque das críticas tímidas ao "capo"? Em seu governo, teve um tratamento de pai para filho com militantes(tucanos) de entidades LGBT, desprezou evangélicos, confraternizava com militantes do MST, e tinha membros ligados a entidades de defesa da reforma agrária em seu governo, aprovou projetos pró-LGBT, era só afagos para a turma da "Lei Rouanet", enojava o movimento conservador, e criou uma política pusilânime na área da segurança. Óbvio, que, na hora do "vamos ver", um sujeito com este curriculum não poderia galgar passos maiores, até que, numa manobra desesperada, um sujeito que não tinha nada o que mostrar, se aliou ao podre e "poderoso" Centrão, recebendo o carisma e a credibilidade de sua vice de chapa, Ana Amélia, no pacote. Neste ínterim, o candidato-presidiário buscava viabilizar sua candidatura a qualquer preço. No início, Haddad mal chegava aos 6%, mas, substituindo Lula oficialmente, seus indicadores dobraram. Ciro e Marina até tinham números respeitáveis, mas foram engolidos pelo petista na reta final. Bolsonaro então, nadou de braçada, neste mar de indigência e irrelevância política. No início do mês passado, sofreu um atentado, e a comoção pública fez os números subirem. Seu partido é nanico, dispõe de um irrisório fundo eleitoral do qual abriu mão, seu tempo de rádio e tv é praticamente nulo, mas, entretanto, utiliza-se de milhares de militantes voluntários, forte repercussão nas redes sociais, divulgação involuntária, compra briga contra TODOS do stablishment, atraindo para si, a fúria dos setores populares reais, e historicamente abandonados. Para piorar, o festival de abobrinhas e presepadas das diatribes tucanas, o Plano Monstruoso do PT-Haddad para o país, os ataques covardes de Alckmin a um adversário hospitalizado e sem direito de defesa, a histeria da mídia e artistas, populares apenas pelas suas "bolhas", e execrados pelo público em geral, obrigados a sustentá-los com impostos, levou o povo a dar um basta, e decretá-lo como presidente. Nem as abobrinhas de Mourão e Paulo Guedes o param mais; vitória no 1º turno? 90% de chances de certeza!


 Haddad, e o plano desastroso de última hora.
  Pois é pessoal, não adiantou a imensa nuvem de fumaça que os "isentões" da mídia e apaniguados et caverna, tentaram montar sob o povo, para fim de elegermos mais um cavalo-de-tróia do sapo-barbudo, e sua "entidade do mal". O programa, que o "democrático" e "amigável" Fernando Haddad, tentou a todo custo esconder, acabou vazando para o público, GAME OVER! Uma chuva de críticas ante esta peça monstruosa veio a público, não obstante, o apoio dos partidos "justos" e "moderados" PT e PC do B, a ditadura criminosa e assassina de Nicolas Maduro, não obstante o desastre humanitário, vivido por milhões de roraimenses, e dezenas de países circunvizinhos, que sentem na pele as consequências deste crime lesa-pátria. O Brasil está cheio das empreiteiras picaretas, dos empresários amigos, dos criminosos de esquerda, enclausurados em sua "bolha de riqueza" regada a impostos, da picaretagem da Lei Rouanet et caverna, do país falido, da corrupção e dos desmando das velhas raposas políticas nacionais. Sei que há muitos liberais e libertários que não se reconhecem na agenda ultraconservadora de Bolsonaro, mas, ante isso, só nos resta uma única saída para derrotarmos os criminosos do PT!!


  É por essas e por outras que digo, BOLSONARO NO 1° TURNO!!

sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

Agora é hora!! Finalmente, o maior canalha de nossa república, terá o castigo que merece..

  Lula é um psicopata, um criminoso, mas, finalmente, um criminoso que está a passos largos da cadeia. Seus crimes são muitos, e seus recursos, bastante diminutos. Este porco socialista, como tantos de sua espécie, não pôde perverter a justiça e o direito, à sua imagem e semelhança, tal como seu colega e parceiro Maduro. São muitas as tramóias desta maléfica figura, muitas, mas, neste post, resumiremos apenas algumas de suas "peripécias" mais proeminentes, então, mais graves. Saber que, de uma vez por todas, uma das figuras mais funestas de nossa república, está a poucos meses de ser banida das ruas e dos palanques, e algo reconfortante, soa alentador, mas, vamos ao que interessa, os crimes de lula.




 Caso Oi: Esqueça a PALHAÇADA do triplex, o que importa é o crime em si.
   O "Caso Oi" é, sem dúvida, um dos mais tenebrosos da Era Lula, perdendo apenas para o Petrolão. Desde o enriquecimento "a Ronaldinho" do filho mais velho dos metralhas, até a modificação criminosa do decreto de concessão das teles, enfim, tudo foi feito para que o vigarista-mor enriquecesse, e empurrasse um gigantesco abacaxi, uma paraestatal paquidérmica, que custa, até hoje, uma fortuna ao contribuinte brasileiro. É preciso lembrar, que, mais que um arremedo de sítio, o que mais importa é o crime em si, realizado da forma mais pérfida possível. Em uma bela manhã de 2003, meses após a apoteótica vitória do "pai do povo", do nada, o até então auxiliar de limpeza do zoológico de São Paulo, o qual recebia um salário de, míseros, 600 reais, viu a sua empresa de fachada, com praticamente nada, a Gamecorp, ter comprada cerca de 50% de seu capital, no valor de cerca de 7 milhões, pela Telemar, e foi assim, que a "famíglia" de vigaristas-comunistas, que odeiam mérito e adoram privilégios, junto com os mafiosos irmãos Bittar, formaram uma empresa, que durante alguns anos, alugou e explorou horários de aluguel no canal afiliado a Rede Bandeirantes, a Rede 21, convertida em Play TV. Assim, a empreitada de mafiosos vermelhos faturou alguns milhões, embora, por anos, permanecesse no vermelho. De fato, é público e notório, que Lulinha, irmãos Bittar e o "pecuarista"-de-coração do Molusco, José Carlos Bumlai, eram meros garotos de recado do capo, até então presidente, aptos a lhes satisfazer em todo tipo de favores - Quem não se lembra daquele episódio patético no Planalto, onde o molusco mandou afixar um cartaz, cansado das constantes negativas de acesso, por parte de seu favorito, em razão da violação das inúmeras regras, protocolos e procedimentos cerimoniais, em função desse "nobre" cargo, e mandou afixar um cartaz, mais ou menos, com os seguintes dizeres " Fica permitida, A QUALQUER HORA, a entrada, nas dependências do escritório da Presidência da República, de meu amigo José Carlos Bumlai [foto do sujeito], não haverá, POR QUALQUER RAZÃO, a proibição de sua entrada e circulação neste local, podendo ele, neste príodo, fazer o que bem entender.." , quanto amor não! Muitos faziam lobby para que se mudasse a lei da Telecom, para que o seu "plano perfeito" se realizasse, mas, reportagem bombástica da veja, colocou em panos quentes sua ofensiva nacionalistóide. Preferiu a saída dos covardes.. À época, havia uma "sangrenta" e difícil disputa nos bastidores entre o Banco Opportunity, do todo-poderoso banqueiro Daniel Dantas, e a Telecom Itália, ligada a família Berlusconi, pelo controle de sua filial no Brasil. Enfim, uma batalha que nada dizia respeito ao nosso país, e, aos mais sensíveis, lembrem-se, o mafioso Abramovich é dono do Chelsea.. Em favor dos Brazucas, o PT jogou SUJO e MUITO SUJO. Lembra-se daquela palhaçada, chamada "Operação Satiagraha"? Pois é, ela foi arquitetada de dentro dos porões da Polícia Federal - Vale lembrar, que, durante o lulismo, o órgão era fortemente aparelhado, onde uma "comissão" decidia, filtrando, quais operações interessavam, ou não, ao "grupo" - Sinto muito dizer-lhe, caro petista, mas a euforia e sensacionalismo ativista daquela época, não passavam de um mero engana-trouxa, no qual todos caíram muito bem - . A "personalidade" escalada para aquela ópera-bufa de sensacionalismo barato, era, nada mais, nada menos, que uma certa e dantesca figura, chamada Protógenes Queiroz. Figura conhecida, tanto de figurões, como dos porões e esgotos do comunismo tupiniquim, ele é o símbolo daquilo que o próprio deputado, Romeu Tuma Júnior, veio a chamar em seu livro de "Máquina de destruir reputações". Escolhido pelo "conselhão" lulopetista na PF, para ações de interesse próprio do partido, tinha como missão operar no mais importante instrumento de confecção de um dos maiores símbolos de ufanismo e mitomania ultranacionalista da até então situação, a operadora nacional, hoje falimentar, Oi, mas, se preferir, pode chamá-la de Tele-Lula mesmo. Seu objetivo, "destruir" Daniel Dantas, então o proponente mais forte, para levar a Telemar, e o então maior obstáculo das barracudas mitomaníacas. Seja por meio da mídia amestrada, forte campanha de desinformação, e o uso de seus satélites na Polícia Federal, infernizaram a vida do empresário, que, não suportando a pressão, acabou vendendo suas ações em ambas, abrindo caminho para o processo de construção da empresa-frankestein. Com o seu arqui-rival fora do caminho, e com a "indústria" criminosa de protógenes livre para novas peripécias, seguiu-se o próximo passo para a criação da nova empresa. Em peso, BNDES, Caixa e Fundos de Pensão, se ofereceram para inundar os cofres das recém-espoliadas empresas com dinheiro do contribuinte. Fundindo-se, formariam uma "mega-tele", negócio ao qual se juntariam, construtoras e políticos. Mas, faltava um pequeno detalhe:  Era preciso mudar a Lei de TELECOM, uma vez que uma concessionária do serviço não poderia atuar fora da área que ganhou em leilão, nem comprar outra. Para montar a tele, era preciso mudar a lei, embora até que tentaram, mas, uma reportagem bombástica da Veja jogou um balde de água fria nos planos da Patota. Sem opção, restou aos "aloprados" pedirem ao capo um decreto, feito sob encomenda, para fins de se liberar aquilo que tinham planejado desde o início. Resta saber, foi de graça o "favor" de lula, sinto que não!! Lula, o pai dos pobres, com patrimônio estimado em 2 bilhões de dólares pela Revista Forbes, certamente não perderia a oportunidade de abocanhar uma "boquinha" como essa, se, por muito menos, amealhou, para seus filhos, uma mesada do casal-20-Mautoni,  aquele responsável pelas mamatas nas montadoras (entendeu o porque de você se matar para pagar um carro, o desleixo com políticas de transporte público filhote?!). O resultado está aí, uma empresa falimentar, com uma estrutura acionária que mais parece um quarto bagunçado, afundada por dezenas de negócios ruinosos (pagamento de propina e "mesadas" para políticos, investimento, a fundo perdido, em Angola, Cuba e Venezuela, dinheiro jogado fora com o Plano Nacional de Banda Larga, dívidas com credores para arrolar pessoal, e a coisa fede..), virtualmente controlada por uma empresa portuguesa, uma tal de [risos!] Banco do Espírito Santo, fruto de negociatas com o até então primeiro-ministro e encantador de mulas da esquerda patrícia, e hoje presidiário José Socrates, com uma dívida impagável de R$ 65 bi, sorvedouro de boa parte das perdas abissais de bancos, estatais e fundos de pensão, a qual estão presos sob um pacto de morte, ao qual não podem sair porque o buraco será mais fundo, e, finalmente, sem perspectiva, sem futura, e a beira do apagão digital de cerca de um terço dos municípios brasileiros, visto que o governo incompetente e aparelhador, não teve competência de trazer competidores de serviços equivalentes a estes municípios - quem sabe, se Telemar e Br-Telecom, fossem hoje, empresas separadas, mesmo que sob bandeira estrangeira, não estariam ambas oferecendo pacotes a preços competitivos para a região, gerando muito mais empregos, solventes financeiramente, e, provavelmente, tapando este buraco em impostos? - . Só nesta brincadeira, Lula acumula os crimes de corrupção ativa e passiva, tráfico de influência, abuso de poder político e econômico, improbidade administrativa, prevaricação, crime de responsabilidade (impeachment), embora extinto, advocacia administrativa e concussão. E aí Ministério Público, e aí procuradores, todo este barulho por causa de um sitiozinho vagabundo? Será que os senhores não tem coisa maior para investigar? Que tal investigar este imenso rol de crimes, qual o por que da migué??!!
  De qualquer forma, esse foi um dos mais terríveis crimes cometidos por Lula, mas, fica aqui que ainda vem mais. Vem que tem..



 O criminoso caso BANCOOP: É impossível ignorar, no "Caso Tríplex", um aspecto especialmente TERRÍVEL a respeito deste crime.
  O "Caso Bancoop", é, sem dúvida, um dos mais terríveis episódios do direito criminal que a nossa política já conheceu, senão o pior. Este caso tem um aspecto peculiar, dado o fato de que muitos promotores e procuradores do Estado de São Paulo não consideram a Bancoop uma cooperativa realmente, mas, de forma pura e simples, uma mera fachada, para fins de lavagem de dinheiro, e montagem de esquemas ilegais de financiamento de campanhas eleitorais, seja na capital e Regiões Metropolitanas, seja, por vias tortas, aquela responsável pelo financiamento da campanha eleitoral de Lula à presidência, em 2002. É por este episódio tenebroso de nossa história partidária, que se assombram os cadáveres do ex-prefeito Celso Daniel, de Santo André, e Toninho do PT, em Campinas. Criada desde 1996 para financiar moradias a baixo custo, para trabalhadores do setor bancário, são poucos os históricos de moradias entregues, e, no mais das vezes, por vias nebulosas, para pessoas que nem pertenciam ao setor.  Milhares são as vítimas, de promessas ilusórias de entrega, de casas e terrenos, por parte de pessoas, que, hoje, dolorosa e amargamente, vêem o "pai dos pobres" e "a alma mais honesta" do Brasil, desfilar em um prédio luxuoso, que, nunca fora colocado em seu nome, mas tratou como se fosse seu, andar de carro blindado com segurança, viajar em vôos executivos, para cima e para baixo, e, por fim, em vias nebulosas, pagar um exército de advogados. A quem interessa este circo? Provavelmente não ao pagador de impostos.. O caso é tão pavoroso, que isso chegou a suscitar até mesmo a criação de uma CPI, por parte da Assembléia Legislativa paulista, cujo relatório final pediu a condenação, da mesma e sua diretoria, intervenção e dissolução da mesma, além de propor, via de linhas de crédito suplementares, concluir as moradias faltantes. O tesoureiro, e comandante do esquema, sob as ordens do alto comando petista, não foi processado pelo fato, mas, PT e diretoria DEVEM sim responder ante esta atrocidade, que vai muito além de um prédio com cobertura!
  Vamos falar agora do "Caso Tríplex", mas, esqueçam o reducionismo da mídia. Anteriormente a esta atrocidade, política, econômica, moral, social e jurídica, uma coisa ainda mais cruel aconteceu. No local onde está localizado o respectivo "corpo de delito", e um edifício vizinho tão problemático quanto, haveria a previsão de construção, via ata constitutiva, de um imóvel simples, padrão, como outros. Mas.. isto não estava nos planos de Lula e sua quadrilha! Quando os inúmeros escândalos, junto com a corrupção, fizeram paralisar as obras, em 2006, Lula, e sua quadrilha, convocaram o chefão da OAS, Leo Pinheiro, para que este terminasse o serviço. Das dez obras "prioritárias" que a empresa de seu "amigo" assumiu, cerca de oito concluídas, mas segundo denúncias da Associação de Vítimas do conluio, dos mais de 2 mil imóveis concluídas pela construtora, cerca de 2/3 foram incorporadas ao seu portfólio comercial, e não, como deveria, serem repassados aos moradores. Uma vez feito o negócio, ele concluiu uma série de obras, dentre as quais, o Edifício Solaris, no Guarujá. Com design e arquitetura muito diverso do apresentado na ata de aquisição dos imóveis, no momento da lavratura do mesmo, vemos no lugar, edifícios suntuosos, luxuosos, voltados para o mar (o local original escolhido não era esse!!), e, na cobertura, um edifício tríplex, luxuosíssimo, com elevador privativo, adega cara, frigobar, piscina executiva, sala de reuniões, cama e travesseiro king size e queen size de luxo, Home Theather, e todo o luxo que todos os prazeres da vida moderna são capazes de oferecer. Nessa apresentação, é preciso abrir um interím, já que, o próprio ex-presidente Lula declarou no seu Imposto de Renda, até 2011, como seu, um imóvel cuja propriedade ele nega veementemente (sabe, é aquela história, da conta trust que não é trust, da conta que é sua, mas está na propriedade de outros, enfim, aquela história do "Caso Cunha"?) ; além disso, nesse mesmo período, ele mandou reformar, mobiliar, fazer benfeitorias, e, até, acredite, usar toalhas de banho e artigos de cozinha personalizados, e "assinados", com as iniciais dos presentes, em um imóvel que "não era deles". Até onde vai a doidivanice e o cinismo do criminalista Zanin? Por que esta postura tosca, de quem mais age como um animador de auditório, um cabo eleitoral, e não um profissional de direito. Para piorar, conforme confissão de seu padrinho, Léo Pinheiro, fora realizada uma triangulação entre a sua empresa, o PT, e o capo, onde, por interferência do PRÓPRIO Lula, este fez duas contas-propina, uma, de nome "amigo", para o dito-cujo, e outra para Dilma, levando em conta, sendo que o saldo maior ficou para o PT, como dinheiro sujo de campanha, e de enriquecimento pessoal de seus membros. Da sua parte na propina, a ele endereçado, o mesmo descontou de seu saldo, as benfeitorias e reformas do imóvel. Podemos computar nesta conta, também, a empresa de fachada LILS, igualmente do ex-presidente, a qual, supostamente, servia para fazer palestras, que, como sabemos, ou eram forjadas, ou nunca existiram. Coloque-se na conta também, um tal de Instituto Lula, que não é aberto ao público, antro de maracutaias, e uma espécie de "QG de Resistência" do sindicalista combalido.
  Nos, extintos, anais do canal online Veja.com, os jornalistas Joyce Hasselman e J.R. Guzzo, ambos apresentadores e colunistas do mesmo, denunciavam a falcatrua envolvendo o imóvel no Guarujá, onde, reunidos em apresentação ao vivo, a apresentadora se queixava a Guzzo do porque de mais de 2 mil famílias terem sido lesadas, enquanto, Lula, o capo, tinha um edifício trílplex luxuoso voltado para o mar, em local diverso ao da sua ata de aquisição, e pior, construído em conjunto com um prédio traseiro, que tampa a vista de um observador distante em relação a ele, e um muro significativamente alto de de proteção, para fins de se comprometer a visibilidade da naturesa suntuosa daqueles imóveis. Guzzo respondeu, "Bom, esta é a atitude típica de um "pobre" sindicalista trabalhador.." . Só pela natureza deste discurso, percebe-se que Lula não vale as calças que come.
  No fim, este é o terrível saldo da criminosa Bancoop e o tríplex: 3 mil famílias lesadas, um ex-presidente com vida de Marajá, a falimentar OAS, dezenas de cadáveres nas costas e um projeto criminoso de poder. Não saia daí, pois narraremos, logo adiante, o crime vil e mais grave de todos, o Petrolão.


  Petrolão: O crime-mãe de todas as atrocidades! Como a "virgem violada" da República, foi-se encontrada em estado lastimável, mas, felizmente, volta a se recuperar??
  De todos os crimes ocorridos na era lulopetista, este, podemos dizer, é o crime-mãe! Aparelhada, possuída, abusada, violada, saqueada, a vírgem-de-puteiro de nossa República realmente, ficou pelada e com as ancas arrastando pelo chão, pois a curra foi grande! Recém sobrevivente do mensalão, e vencedor com folga após enfrentar o patético Alckmin, em 2006, Lula saiu das cordas e decidiu abandonar a postura de pacifista chorão. Para fugir do desespero de fim de mandato, não confundir com vitimismo, Lula adiantou uma estratégia que já "cantou a bola" para uma jornalista francesa em 2003, a de que, citando remotamente Gramsci sem saber, a democracia era uma "farsa para tomada do poder". Pois bem, a farsa começou a fazer água, e Lula e asseclas tiveram que aplicar a estratégia "hard" num período muito antes do previsto. Do aparelhamento descarado de estatais, agências reguladoras, ministérios, órgãos de governo, mídia, imprensa, e todos os meios possível, ao saque e compra descarada de deputados, senadores, governadores, prefeitos, TCEs, liberação do balcão de propostas indecentes, e "pacotes de bondades" aos Estados, com hipertrofia da máquina pública, precarização dos serviços de fiscalização, reajustes pornográficos ao funcionalismo, dinheiro barato do contribuinte a empresários amigos, abertura a irreponsabilidade total de governantes de Estados e municípios, tanto que, hoje, 22 dos 27 Estados brasileiros estão virtualmente falidos, juntos com outros milhares de municípios - Descer o relho em Cabral, Cunha, Alves, Sarney, et caverna, é muito fácil em tempo de vacas macas, mas, no tempo da farra era só alegria, engraçado não?! - E a Petrobrás não foi uma vítima isolada nesta história. Vamos listar aqui algumas das várias atrocidades perpetradas contra a nossa virgem-de-bordel, tão amada pelos "companheiros de boca" que substituem outros.

 1. Caso Pasadena.
 2. Clube do mal das empreiteiras.
 3. As petrolíferas doidivanas de Lula.
 4. Abreu e Lima e Comperj: Da pornografia a perversão.
 5. Saque Geral: Populismo, controle de preços, e desvios descarados para campanhas eleitorais.

 1. Caso Pasadena: A multiplicação do desastre!
   Imagine um negócio incrivelmente ruim. Agora, imagine um negócio tão ruim, mas tão
 ruim, que consegue multiplicar por VINTE, um prejuízo que já era cotado como "crônica
 de tragédia anunciada". Trata-se de um negócio realizado na cidade americana de
 Pasadena, no Texas. Nesse negócio mirabolante, a Petrobrás comprou uma empresa
 completamente falida, na cidade homônima, que, à época, custava cerca de
  42 milhões de dólares, por, PASMEN, incríveis 352 milhões de dólares, pela metade de
 de uma refinaria desativada há varios anos. Com uma estrutura completamente podre, a
 mesma era incapaz de processar, até mesmo, o petróleo mais fino do Oriente Médio,
 quiçá o petróleo extremamente denso e com elevado nível de impurezas do solo
 tupiniquim, uma verdadeira INSÂNEA! Para piorar, havia uma cláusula criminosa no
 contrato, segundo a qual, para se desfazer deste abacaxi, a mesma teria que comprar a
 metade restante da empresa holandesa Astra Oil, dona desta porcaria. A "libertação",
 bem, saiu por uma bagatela de.. digamos 402 MILHÕES de dólares. O resultado deste
 desastre: A petrobrás saiu, de uma aquisição inicial de 42 milhões de dólares, para um
 prejuízo de quase UM BILHÃO de dólares, uma verdadeira máquina de jogar dinheiro
 pela janela.. Sem falar, é claro, no doloroso processo movido, pela empresa contra a
 "sócia" holandesa nos tribunais, manobra que consumiu mais algumas centenas de
 milhões de doletas. A documentação relativa a esta desastrosa ópera-bufa são muito
 imprecisas e desencontradas. É quase certa a participação direta de dilma neste negócio,
 dado que, à época, o hipopótamo-de-banânia era Ministra da Casa Civil, e presidente do
 Conselho de Administração da empresa. A tonta, jura, ter sido "enganada" pelo protegido
 dos petralhas no órgão, nestor Cerveró, bem como, relatórios da área técnica recomendavam
 o negócio - COMO?! Será realmente crível que pessoas minimamente criadas e formadas
 especificamente para tal fim, não tenham um mínimo discernimento ante este arroubo de
 barbaridade? - e claro, que os tais "relatórios da área técnica são absolutamente obscuros, e
 desprovidos de qualquer base de acreditação legal, dado o tamanho absurdo. Existe, também, o
 claro e óbvio envolvimento de notáveis criminosos, responsáveis diretos pelo crime que se
 realizou. Pessoas como Nestor Cerveró, Pedro Barusco, Alberto Youssef, e tantos outros,
 receberam cerda de US$ 20 mi em propina para selar esta mixórdia, mais alguns caraminguás que
 foram desviados para companhas petistas. Como já dizia Nelson Rockfeller, patrono da família
 globalista mundial " O melhor negócio do mundo, é uma companhia de petróleo bem
 administrada, O segundo melhor negócio do mundo, é uma companhia de petróleo mal
 administrada". De fato, o Sr. Rockfeller até tem razão, como serve uma companhia podre, a
 tantos abutres desprezíveis e inconsequentes, movido pela sanha e sede de poder!


 2. Clube-do-mal das em preiteiras: Porque roubar é a lei!
  O que dizer do nefasto "clube das empreiteiras" ? Aquele clube bacana, formado por
 uma reserva de mercado, criada pelo próprio Presidente Lula, com o objetivo de
 "fortalecer a economia nacional" e "proteger a soberania nacional" , enfim, aquela mesma
 conversa mole dos militares. Fato é que o "clube das empreiteiras" funcionou muito bem,
 com empresas, algumas, cuja gatunagem vem de outros carnavais. Conforme Leo
 Pinheiro, Marcelo/Emílio Odebrecht, Sergio Andrade, Ricardo "Pernambuco", da Carioca
 Engenharia, dentre tantos outros, foram os responsáveis pelo "clube do mal", organização
 criminosa, esta, que, sozinha, só na Petrobras, fora responsável por um prejuízo da ordem
 de 10 a 20 bilhões de reais - Aguente firme, a pilhagem só está começando.. - .
 Basicamente, quando o PT assumiu o comando da petrobrás, a mesma foi loteada entre os
 diversos partidos da base aliada, que, controlando a diretoria, e por meio das leis do
 Pré-Sal, royolties, e reserva de conteúdo local, beneficiavam-se fabulosamente das
 tramóias de empresas cartelizadas com o esquema, as quais pagavam, por contrato
 fechado, algo em torno de 1 a 3% de propina. É preciso levar em conta, também, que
 havia uma escandalosa margem de superfaturamento nos contratos, algo em torno de 20 a
 30%, sem falar é claro, na extremamente lucrativa indústria de favores e extorsão, via
 adiamentos e aditamentos contratuais. Sem levar em conta as obras que foram "tocadas"
 pela Petrobrás, e se revelaram monumentais fracassos, mas todo mundo "levou" na festa.
 As propinas eram distribuídas de diversos modos, mas, no geral o PT ficava com aprox.
 1%, mesma faixa dos operadores, e o restante ia conforme a dança, para alguns petistas,
 líderes de outros partidos, vide Pedro Corrêa, do PP, um ou outro chantagista e eventuais
 "companheiros de viagem", tipo aqueles que só fam mal porque querem receber algo em
 troca. A farra petista na companhia foi incalculável, mas, calculos modestos deduzem
 uma margem de prejuízo de FABULOSOS 44 bilhões de reais, mais isto é tema para
 outro ítem. De qualquer forma, o "clube do mal" é representante do que há de pior, e mais
 nefasto em nosso país; e não podem se dizer como "vítimas" de uma extorsão, pois
 sabiam da natureza do negócio que estavam praticando, sabem do mal que isso representa à livre concorrência e a livre iniciativa, a moralidade e probidade da administração,
 direitos e princípios fundamentais, erigidos e a serem cumpridos sob a Carta Magna, além, claro, de serem sócios informais deste desastroso estado de coisas que se encontra a política, economia, a moralidade, e o futuro de nosso país, além, é claro, de serem criminosos de outros "carnavais". Eles não podem, de forma alguma, se compararem aos cidadãos honestos, que lutam bravamente para honrar com os seus compromissos, mas acabam esmagados pela terrível burocracia manicomial de nosso país - à qual estes senhores são "sócios" também, pois, ao cobrarem subsídios e privilégios, a conta, e o "fardo" , acabam ficando para o lado mais fraco - Não endosse campanhas nacionalistas!


 3. As petrolíferas doidivanas de Lula.
  Outra coisa a ser levada em conta, quanto ao escalpelamento de nossa "grande empresa",
 e, motivo de "orgulho nacional", se deve em relação as famosas "refinarias" de Lula.
 Pintadas com doses eufóricas de mitomania e ufanismo, estes monstrengos
 arquitetônicos, criados pela loucura de um homem que pensa como um peido, essas
 "refinarias", criado a reboque de sua maligna vontade, ignorando alertas de sua diretoria
 e conselho de administração, área técnica, e, até, relatórios muito bem fundamentados do
 Tribunal de Contas da União, conclamou a empresa, a concluir quatro refinarias no
 Nordeste, e, assim, satisfazer a sanha de seus redutos político-eleitorais. Além da
 absurdamente cara Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, Lula mandou fazer outras
 três refinarias, no Ceará, Maranhão, além do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro
 (COMPERJ), sendo que, duas delas, saíram absurdamente caras - Só Abreu e Lima, com
 participação da caloteira PDVSA, viu o seu custo aumentar de 4 para 17 bilhões, e o tal
 COMPERJ, na cota do seu, até então, comparsa, Sérgio Cabral, cujo valor de custo
 triplicou até os dias atuais. A refinaria no Maranhão está abandonada, as moscas, com
 prejuízo de alguns bilhões. Já a do Ceará nem saiu do papel, mas já custou outras "bilhas"
 No fundo, este é o "modo PT" de se fazer negócios. A coisa é tão absurda, que, em 2010,
 Lula vetou trecho da Lei Orçamentária de 2009, que determinava a paralisação destas
 obras, tamanho o descalabro e indícios gravíssimos de corrupção, conforme recomendava
 relatório redigido pelo próprio TCU: Lula ignorou e fez tocar estas obras mesmo assim,
 crime pelo qual, este só responde por agora.. 2017! Só nesta brincadeira, foram criados
 alguns "pequenos" prejuízos, da ordem, de.. digamos.. uns 30 bilhões! Continue aí, e
 falaremos mais a respeito de Abreu e Lima, e do COMPERJ.

 4. Abreu e Lima e Comperj: Da pornografia a perversão.
  Vamos falar, por agora, do rol de atrocidades de Abreu e Lima e do COMPERJ. A
 primeira, nascida de um acoordo sórdido de cavalheiros entre Lula e Chavez, um
 verdadeiro presente-de-grego tupiniquim. O segundo, nascido de um sórdido acerto de
 compadres entre o "operário" Lula, e o até então incensado Cabral. Quanto a Abreu e
 Lima, esta nasceu de uma doidivanas porretada-na-mesa do, até então, "Pai dos Pobres".
 Cheio de marra, e com aquele ar de euforia alcoólica de sempre, Lulão peitou o até
 então Presidente da Petrobrás, o petista Dutra, e exigiu "Quero quatro refinarias!", como
 confessou saltitantemente o mulusco, em entrevista ao jornal Valor Econômico. Simples-
 mente porretou a mesa e mandou fazer. Colocados contra a parede e ameaçados de
 demissão, a Alta Cúpula da Petrobrás teve que cortar um dobrado para atender as
 necessidades de seu líder, rubricando alguns rudimentos de plantas e projetos, para fins
 de serem apresentados ao capo. Em viagem ao Ceará, para atender aos "galanteios" de
 seu aliado de todas as horas, Ciro Gomes, para o qual chegou a "verborragizar" em sua
 defesa, naquele lamentável episódio do "jatinho de sua sogra", e, entre um afago e
 outro, concedeu ao seu "confrade", Cid Gomes, governador do Ceará e irmão de seu
 braço-direito, a promessa de uma refinaria no Estado. O governo gastou alguns bilhões,
 por um projeto que NUNCA saiu do papel.
  Vamos falar, agora, de um projeto crítico, Abreu e Lima. Em 2010, Lula incluiu o
 projeto no rol de suas promessas eleitorais. Dobradinha feita com o seu parceiro, Hugo
 Chavez, era prometido uma divisão bipartite entre ambos, mas, o "pepino" ficou apenas com os brasileiros mesmo. De um valor inicial de R$ 4bi, o projeto é orçado hoje em 17 bi. Isso mesmo! O valor quase que quadruplicou. A refinaria surgiu como um, de muitos favores, que o capo prestou a seus companheiros bolivarianos, junto, também, de dezenas de bilhões de dólares, a fundo perdido, por parte do BNDES, a republiquetas insignificantes - Cuba, Venezuela, Nicarágua, Angola, Equador, e por aí vai.. -  com o
 propósito de, simplesmente, atender a favores políticos. Muita gente suja se enriqueceu
 nesse processo, como qualquer delator, e petista recém, ou na iminência de ser demitido,
 sabe. Outra monstruosidade típica deste regime nefasto, foi o Complexo Petroquímico do
 Rio de Janeiro, mais conhecido como COMPERJ, um "presente" do molusco para essa
 mesma CORJA sob a qual o Rio de Janeiro agoniza, constituída de Cabral & CIA. Por
 fins meramente eleitoreiros, Lula começou a "namorar" com o PMDB carioca,
 oferecendo-lhes cargos e obras para seu Estado, trazendo, também, dois eventos
 internacionais - Copa do Mundo e Olimpíadas - e, claro, uma mega-refinaria, o
 COMPERJ. Não houve piedade! Cabral, Cunha, Costa, Dirceu, Renan, "Paulinho",
 Piscianis, e CIA ltda, todos se uniram para assaltar esse "monumento" o quanto puderam.
 De uma obra que nunca foi concluída, o custo da obra mais que triplicou, o negócio se
 revelou inviável financeiramente, foi posto a venda sem estar pronto, foi incluído no
 plano de de venda de ativos da empresa, e ficará pronto sabe-se Deus lá quando. De fato,
 a espoliação, via corrupção, por parte da empresa, aliado a má-gestão, foi o fator
 significativo pelo qual a empresa se encontra em estado pré-falimentar hoje. Mas não
 foi o principal, e, por isso, vamos ao fator fundamental que afundou a empresa;
 populismo, caixa 2 de "demandas" eleitorais e controle de preços. Fica aí que a gente não
 terminou, vem que tem.


 5. Saque Geral: Populismo, controle de preços, e desvios descarados para 
 campanhas eleitoirais.
  O grosso de todo o lodaçal em que se meteu a "Petro" nestes últimos anos, se deve aos
 desatinos que lhe serão relatados neste último ítem. Não é novidade que a pilhagem a ser
 montada na Petrobrás, ocorria a ritmos de insânia, e nunca vistos antes. Porém, mesmo
 sabido, à época era impossível provar, e, não sejam inocentes, a Lava-Jato não
 "descobriu" nada, ela apenas explicou, e descreveu, com uma riqueza sórdida de detalhes,
 aquilo que só cego não conseguia ver! O saque da companhia nacional, começou em
 meados de 2006, quando Lula, nas cordas, resolveu abrir as pernas, no despero, e afã, de
 obter qualquer apoio, por mais rasteiro e subreptício que fosse. Assim, dividiu o
 comando da Caixa, BB, BNDES, fundos de pensão e estatais, com PMDB, PP e PL
 (atual PR). Assim, estes eram sócios no negócios (e no botim also). Para "comprar" o
 apoio de partidos menores, multiplicou-se ministérios, aumentou-se ao infinito os cargos
 de confiança, houveram mega-contratações de funcionários públicos, reajustes
 generosos, subsídios e políticas de apoio e incentivo, tanto para organizações ligadas
 ao PT e seus satélites, quanto para as de seus aliados - Era uma "Aliança do Mal", onde
 até mesmo Sarney e Reanan receberam incentivos para as suas instituições fundacionais -
 A  Petrobrás se afundou em dívidas e teve o seu futuro estraçalhado até então, tempos
 onde o céu era o limite, no tocante a espoliar, e sugar, ao máximo, os recursos da
 companhia. A empresa se subjulgou a lógica de financiar os milionários, e fracassados,
 filmes brazucas comprometidos ideologicamente com a "causa". Só de "incentivos",
 termo vulgar para "enriquecimento descarado com dinheiro alheio", foram alguns bilhões
 para o ralo, dentre obras "comunas" de importância "anal", vide macaquitos, fóruns e
 eventos de esquerda, teatro podre, e financiamento da "indústria" literária de sumidades
 petistas. VAle lembrar, que, em 2009, Lula aprovou a Lei da Partilha e a Lei do Pré-Sal,
 verdadeiras abominações de nossa mitomania macunaímica, onde, dentre outras barba-
 ridades, a companhia teria participação obrigatória de 30% nos novos campos do pré-sal,
 com partilha, inclusive, do combustível entre ambas as partes - isso numa empresa em
 estado de pré-calamidade, com gravíssimas dificuldades de caixa - a criação de uma tal
 "Petro-Sal", um frankestein tupiniquim do nosso "ouro negro", que virou a atual "Sete
 Brasil", um emaranhado e sócios parternalistas e corporativistas, dentre Estatais, Fundos
 de Pensão, bancos e empresas tupiniquins corporativistas, conhecida pela sua revoada
 de projetos desastrosos, corrupção descarada, ser mais um de tantos elefantes-brancos a
 serem mantidos pelo contribuinte, bem como, o seu estado falimentar, sem antes, nos
 relegar um prejuízo de muitos bilhões. A Sete Brasil será aborda por nós, como um caso
 a parte nesta jornada de destatinos econômicos do governo petista, mas, por enquanto,
 nos limitaremos aos erros e abusos cometidos contra a "Petro". É preciso lembrar
 também, que o populismo era grande naquela época, e, por isso, não seria surpresa
 nenhuma dizer-lhes, que muitas dezenas de projetos internos da companhia, quando
 feitos, e com graves prejuízos, o foram para atender a interesses políticos ideológicos.
 A expropriação da refinaria brasileira na Bolívia, a qual tínhamos investido cerca de
 US$ 1 bi, e nos foi tirada na mão grande, com total inação do governo brasileiro, as
 manipulações discaradas de Cristiana "A Loca", na Argentina, que, depois de ofender
 e atacar de forma inanceitável a nossa companhia, conseguiu arrancar "investimentos"
 de centenas de milhões de dólares da mesma, mas, mesmo assim, foi-nos tomada a fundo
 perdido, os investimentos fracassados em Cuba, Angola, Venezuela e Equador, bem como
 o dinheiro jogado fora, com a compra de títulos da dívida desses mesmos países, as
 "quatro" refinarias eleitoreiras, conforme foi por nós anteriomente ditos, a venda de
 "combustivel podre" aos potorriquenhos, o financiamento da "mídia suja", compras
 ruinosas de ativos de outras empresas, via "pixulecos", compra de partes em sociedades
 com empresas corporativistas, dentre tantas outras atrocidades cometidas pelos
 criminosos vermelhos, que tinham Lula como o seu chefe-mor, e que contribuíram para o
 debacle da empresa. Dois fatores, no entanto, foram fundamentais para afundá-la de vez,
 O roubo descarado para campanhas eleitorais, e a política de controle de preços. Que
 havia um roubo descarado, nos cofres da Petrobrás, para fins de se financiar as
 campanhas do partido, isto todos nós já sabíamos. Agora, tem a parte que era desviada
 via "agradinhos" e pixulecos, bem como, aqueles que foram tomados NA MÃO
 GRANDE, isto, na mão grande mesmo, talvez financiado, indiretamente, com aquela
 farsa da "política de capitalização" da Petrobrás, política esta, completamente
 fraudulenta, visto que a empresa nunca viu a cor do dinheiro. Assim, disfarçada
 contabilmente, pelo manto de um pseudo fluxo positivo de caixa, o PT pôde, assim,
 desviar entre bilhões a dezenas de bilhões de reais, para fins de irrigar as campanhas de
 partidos aliados, nas suas famélicas bases eleitorais. Este escândalo e ode a barbaridade,
 vinha sendo denunciado por revistas como a VEja, entre 2008 a 2010, e é provável, que,
 até 2014, em menor escala, vinha acontecendo. Por fim, temos a desastrosa política de
 controle de preços e "reservas de conteúdo local", onde, a mesma era obrigada a comprar
 produtos nacionais, de empresas nacionais, pelo dobro do valor de mercado, e, muitas
 vezes, produtos obsoletos e de péssima qualidade, isto quando não feitos por um "hipster"
 e sequer existem, no caso das "Sondas Imaginárias" do grupo Schahin. Em 2016, por
 força de ultimato das autoridades norte-americanas, estarrecidas com o descalabro na
 Estatal, e sob ameaças de banimento do mercado americano, finalmente saiu o valor
 "auditado" dos prejuízos: Estimados US$ 8 bi com a corrupção, e, em perdas com maus
 investimentos e péssima gestão, de assustadores US$ 44 bi - mas, claro, sabemos que o
 rombo é muito maior! - . A política de controle de preços da Petrobrás foi a que afundou
 de vez a empresa, junto daquele desastroso pacote energético de 2012, no governo
 dilma, que porretou para baixo o preço da conta de água e luz, prejudicando
 assustadoramente as companhias termelétricas operadas pela mesma, que começaram
 a sofrer com restrições de fluxo de caixa, aumento do endividamento e investimentos;
 sem falar, no fato de que, tão logo o sistema Eletrobrás, e tantas outras companhias
 vinculada ao Governo Federal e Estados aderiram ao "pacotão", selando o estado de
 organização falimentar em que muitas destas se encontram hoje, a "Petro" começou a
 sofrer com a perda significativa de demanda por parte de seus clientes. O controle de
 preços dos combustíveis, se somou a gravíssima crise de caixa, descapitalização, e
 liquidez próxima de zero, em razão das inúmeras barbeiragens e investimentos ruinosos,
 autorizados e promovidos pela própria empresa. Impedida de aumentar, no momento em
 que esta medida se revelava como oportuna e absolutamente necessária, a empresa
 começou a acumular prejuízos, endividar-se, vender debêntures no mercado, e, ao fim
 e ao cabo, tornar-se dependente de socorro estatal. Essa patuscada populista, custou,
 sozinha, cerca de 100 bilhões para os cofres da Petrobrás, e é responsável, in solo, por
 cerca de 1/5 de seu endividamente.

 Esse rol de monstruosidades aqui elencadas, afundou de vez a Petro, um crime a ser
 colocado, num total de tantos na conta do molusco - isso porque não falamos nos crimes
 cometidos em outras estatais, fundos de pensão, dobradinhas com empresas
 corporativistas, uso político e econômico de prestígio junto a bases e leitorais, e muita,
 muita corrupção..


 Por fim
  O rol de atrocidades aqui relatadas neste post, é gravíssimo demais para que seja considerado um simples "malfeito" de escritório. Tra-se de um criminoso, descarado e meticulosamente calculado ato de abuso de poder político e econômico, e prevaricação!
Lala sabia SIM, de todas as atrocidades que ocorreram em seu governo, e é co-partícipe sim, pois foi deles cúmplices! É óbvio que Lula roubou MUITO MAIS do que o relatado neste minúsculo rol de denúncias. Sua gatunagem é de longa data - desde os tempos das greves forjadas no ABC, conforme delatara Marcelo, sabido muito bem pelo seu pai, Emílio Odebrecht, a corrupção no meio sindical, esquemas de extorsão em prefeituras comandadas pelo partido, et caverna - seu patrimônio, estipulado em 2 bilhões de dólares pela Revista Forbes, não é a toa! - Agora, é fato, muito maisa que consumado: Lula, mas não só, como praticamente a sua família toda, enriqueceram absurdamente no período em que o dito-cujo subiu a rampa do planalto, assim como, durante a gestão de seu poste, Dilma Rousseff. Ele soube triangular o seu patrimônio muito bem, entre uma miríade extremamente complexa de esquemas constituído entre os seus principais "comparsas" de crime, dentre os quais, José Dirceu, e somente a Lava-Jato foi capaz de revelar apenas uma pequena parte de tão imensos crimes. Lula pode mentir o quanto quiser, mas, se Lula
é inocente de algo, certamente o será de levianas acusações de ter bom caráter!









domingo, 4 de fevereiro de 2018

Último dia de férias! Hora de pegar no batente..



  Não tem mais desculpas..

quinta-feira, 1 de fevereiro de 2018

Natal.

  As origens do Natal, são muito nebulosas, e até incerteza. Sabe-se, que, desde os tempos imemoriais do Neolítico, ocorrem as festividades de fim de ano, relacionadas ao Solstício de Inverno.

 https://brasil.elpais.com/brasil/2017/12/08/cultura/1512736033_713696.html

domingo, 26 de novembro de 2017

Vem aí, mais uma chupação barata de seriados americanos!! TV ABERTA sem noção perde o senso de ridículo!

  Bom pessoal, parece que a TV ABERTA não vem assimilando muito bem, o seu destronamento pelas outras mídias (TV PAGA, Youtube, Netflix, etc.), que também não são lá essas coisas, mas muito melhores que ela! Uma novelinha meia-boca em horário nobre, em que a sogra interna a nora num hospício, para roubar-lhe a licença de exploração de minérios, e, uma arquirrival que desenvolve um roteiro de filme B, para concorrer com ela, mostra o cúmulo do ridículo a que chegamos. A televisão brasileira sempre foi conhecida, por oferecer produtos de baixa qualidade e de procedência duvidosa, pela auto-lisonja, junto a prêmios "manjados", por um monopólio quase feudal do mercado, e, principalmente, pela ausência total de princípios como moral, cidadania, respeito ao próximo, promoção da educação e da competência. De fato, apelar para o ridículo já está cansando, pois as novas mídias já chegaram, e, mesmo assim, as teimosias jurássicas continuam. Este blog não pode deixar de se indignar com algumas coisas, e estas são a que listaremos logo abaixo:


Novela é novela! Parem de inventar!
  É perfeitamente compreensível, que, na Rede Globo, um diretor de novela não é apenas um diretor de novela. É o "Senhor", é um quase Deus, e um quase mini-messias, para o qual todos os seus sequazes se ajoelham - o caso recente, do diretor "novinho", que recebeu uma enxurrada de nudes e declarações amorosas, de atrizes proscritas que sonhavam em voltar a brilhar na telinha, mostra muito bem este quadro - o qual, claro, lhe dão ares de autoridade, digno de um Jeová, anunciando o juízo final. Só que agora, os profetas da nova era não se contentam apenas com o seu dever de ofício. Desejam, oficiosamente, impor-nos um dever de cumprir um novo modo de vida politicamente correto, uma manual redigido direto da inteligentsía, de o que devemos fazer, e como devemos nos comportar. Agora, o diretor e todo-poderoso Aguinaldo Silva, além de diretor desta estrovenga, sente-se algo mais além. É o arauto das boas-novas, para as pessoas leigas, ignorantes, e ávidas por seu "notório saber". Temas como, violência doméstica, preconceito de todo tipo, ganância, exploração mineral, vingança, violência, mais violência.. tudo isso é parte de de um grande caldeirão cultural (risos). Ou seja, pessoas cansadas e estressadas no trabalho, à beira de uma cíncupe, precisando relaxar, e buscando sua dose de entretenimento diário, é tratado como imbecil, não frente de uma fonte de entretenimento que ele gostaria de assistir, é humilhado, e precisa aceitar a tudo isso, porque é cool.. Pelo visto, os diretores da Globo estão querendo reinventar a roda, pois, novela é assim mesmo, vejam as mexicanas, horrorosas, mas ninguém se atreveria em mudar, sob pena de se fazer a lambança que a platinada está fazendo! As pessoas exigem demais de uma novelas, exigem demais, e exigem, inclusive, aquilo que elas não podem dar, pois este gênero, além de limitado, tal qual as operetas "pastelões" de tempos remotos, possuem uma estrutura e uma linguagem extremamente limitada, a ser diluída em um número gigantesco de capítulos - de 100 a 200 - e, principalmente, contam com um elenco limitado ou que não pode dar o melhor de si, além de uma concorrência feroz, que muda tudo a cada instante. O público quer as suas novelas de volta, com mais pastelão, ludismo, personagens carismáticos, trama romântica "água com açúcar", fora disso não lhe interessa. Sei que isto pode ofender algumas "almas sensíveis", que mudaram para uma programação de maior qualidade (TV PAGA e Streaming), e tem um nível educacional mais elevado, mas existem pessoas que são assim fazer o quê? Novelas são assim, é um tipo de gênero que foi feito para ser desta forma, tentar "serializar" uma trama tão simples, com uma linguagem que não é compreendida por uma boa parte do público, que se perde ou é mal elaborada, pois diluída em vários capítulos, e estressante demais, é e sempre foi um tiro no pé! Novela e séries sempre foram uma linguagem diferente, e, para os insatisfeitos, sempre lhe restará o controle remoto.


O apocalipse: Trama do "fim do mundo" abre oportunidades para o SBT.
  De fato, nada está mais parecido com o fim do mundo do que a programação atual. Parece que o absurdo virou regra! A TV ABERTA nunca superou a perda massiva de telespectadores que vem sofrendo nos últimos anos, e, lutando para não reconhecer o óbvio, apela para os mais perniciosos ardis, desde desgraças/tragédias, para chamar mais atenção, até a um público de nicho (bíblico, infantil, "sangueira", etc.) . E a estratégia de nicho vem dando muito certo, e, até mesmo a Rede Globo se rendeu ao óbvio: existe uma parte do público que ela sabe que perdeu, tendo de investir no que lhe restou, os "comunistinhas de sofá". Hoje, mais do que nunca, se investe na "exploração da realidade", que é horrível, e ninguém quer ver de perto. E é essas doses de "realidade com adrenalina", que vem afastando uma parcela preciosa do público. Quem ganha com isso? O SBT, que, se não bombear, fará os investimentos certos, e roubará preciosos pontos das concorrentes, empurrando a Record de vez para a terceirona.


Hora de avaliar se a TV ABERTA vale a pena: Com tantas opções, o produto que nos é oferecido continua sendo de péssima qualidade.
 De fato, as emissoras abertas continuam "inventando" para atrair público, e, como vemos, com resultados desastrosos. Desde realities "non-sense", com uma sinopse que, em si, já é um absurdo, até mesmo tramas de novelas que imitam os seriados americanos, tentam ser mais moderninhas, mas, no fim, fracassam retumbantemente, pois não foram desenhadas para o público que desejam atingir. Creio que está na hora de uma nova proposta de televisão, uma TV que tenha público, invista em programação alternativa, saiba cativar o público que não fugiu da TV Aberta, tem consciência de seu papel, e que não nos trate como idiotas! A cultura dos autores-deuses deve acabar também, pois este não serve a ninguém, a não ser os dos ufanistas idiotas, que preferem acreditar nisso.